Viva o TEXAS


César Pansera
22/12/2014

Num raio-X completo da mais clássica montagem para pescar o black bass com iscas plásticas, veja porque os anos passam e o Texas Rig nunca sai de moda

 

Além de resistir ao tempo, ela é a mais conhecida montagem para se pescar o black bass com iscas plásticas. O rig, utilizado por muitos pescadores, pode ser considerado polivalente, capaz de capturar os verdões durante boa parte do ano, aonde quer que eles estejam.

Porém, só o uso do clássico anzol off-set e os pesos em formato de bala (bullet-weights) não basta. Existem outros materiais e recursos importantíssimos que não podem passar despercebidos pelo pescador.

É muito importante que, para um perfeito trabalho da isca, ela permaneça sempre o mais reta possível quando acoplada ao anzol, sem ficar esticada demais ou torta na haste.

Pesos: iguais só na aparência
A. De latão: ideal para ser utilizado com miçangas. O choque dos materiais produz um ruído característico, mais intenso que nos outros modelos.
B. De tungstênio: é o metal mais denso do mercado e, portanto, o que levará a isca ao leito mais rapidamente.
C. Oco com pequenas esferas: produz barulho ao ser trabalhado com toques curtos e secos de ponta de vara.
D. De chumbo com acabamento fosco: é o mais comum no mercado brasileiro.
E. De chumbo com acabamento cromado: deixa o peso sem imperfeições e possui brilho.
F. De chumbo com acabamento pintado: a ideia é gerar diversas combinações de cores com as iscas.
G. De formato curto e cromado: mais leve, é indicado para iscas menores.

Equipamento recomendado
Linhas: de mono ou multifilamento, o importante é que tenham baixa espessura (até 0,30 mm nas monos e 0,20 mm nas linhas multi). No segundo caso, é indispensável a presença de um líder o mais transparente possível, de náilon ou fluorcarbono, de até 0,30 mm.

Varas: de 6 a 7 pés, classes 17, 20 e 25 libras. Prefira os modelos com ação mais rápida, cujo blank (corpo) fica exposto sob o reel-seat (assento da carretilha ou molinete). Essa característica aumenta a sensibilidade do caniço e transmite com maior intensidade qualquer ação sofrida pela isca.

Carretilhas/molinetes: de porte leve ou médio, com capacidade para 100 m de linha. Modelos com razão de recolhimento rápido (6 ou 7:1) permitem maior rendimento dos trabalhos por eliminarem mais rapidamente as folgas na linha.

Pesos: entre 4 e 14 gramas, com destaque para o de 7 gramas.

Anzóis: do tipo off-set, que tem formato específico, entre 1/0 e 3/0 se o objetivo for o black bass. Caso o alvo seja a traíra, utilize anzóis maiores, 4/0 e 5/0.

Iscas: soft baits (iscas plásticas) entre 5″ e 7 1/2″. Minhocas, salamandras e criaturas em diversas cores (com e sem glitter). Destaque para a cor preta e as com tons de roxo, vermelho, verde (watermelon) e azul, além daquelas cuja cauda tem coloração que destoa do corpo da isca. Ainda em relação às caudas, prefira as maiores, mais volumosas e mais curvas, que têm ação mais pronunciada, principalmente durante a descida da isca.

 

Compartilhe:

Agenda

Próximos Eventos


@revistapescaesportiva

Twitter