SUP Fishing | Revista Pesca Esportiva

SUP Fishing


Giuliano Andretta
10/02/2016

As grandes pranchas que fisgaram os fãs de esportes aquáticos podem ser perfeitamente adaptadas para a pesca

 

A febre do SUP (sigla de Stand Up Paddle), esporte no qual remamos a pé sobre uma prancha, chegou ao mundo da pesca. Sempre inquietos à procura de emoções e novidades, os pescadores encontraram nessa nova onda uma forma de unir do útil ao agradável. Com a possibilidade de explorar locais dificilmente acessados na pesca embarcada, os aventureiros tornam-se atletas na busca pelo peixe, e a singular integração com a natureza deixa cada fisgada ainda mais emocionante.

Escrevo isso após realizar, sobre uma dessas embarcações, uma das melhore pescarias de robalo da minha vida. Estava despreparado na ocasião, era uma viagem em que o surfe era a prioridade e o local tinha um riozinho promissor. Como sempre levo um kit de sobrevivência de pesca na bagagem, me vi obrigado a dar uns pinchos e conferir se tinha peixe no local. Era um fim de tarde chuvoso. Emprestei a prancha de SUP de meu amigo para apenas mapear a região sem grande pretensões, nem maquina fotográfica levei. Não deu outra, em apenas uma hora entre remadas e arremessos (só para constar, a isca era um stick), um cardume de pevões resolveu me fisgar para o mais novo vício. Sem estar devidamente equipado e com algumas dificuldades principalmente na hora de embarcar os peixes, resolvi pesquisar sobre o tema e voltar para a água mais bem preparado. Compartilho algumas dicas voltadas principalmente para quem está iniciando na modalidade.

 

 

1. Escolha da prancha

Existem pranchas de diferentes tipos, tamanhos e especificidades, vale estudar antes de fazer a compra.

Pranchas de fibra – mais estáveis, proporcionam também melhor remada, mas são pesadas e demandam maior logística para o transporte. É indispensável que o carro tenha um rack no teto para prendê-las a fitas ou extensores.

Pranchas infláveis – mais leves e prática, podem ser esvaziadas, enroladas e guardadas em bolsas. Porém, não são estáveis, podendo ainda furar ou apresentar problemas com a válvula após certo tempo.

Dimensões – o comprimento e a largura da prancha devem ser adequados ao peso e à altura do usuário. Como ao pescar levamos tralha extra, indica-se pranchas acima de 10 pés (3, 05 m). Quem vende o equipamento pode ajudar na escolha.

Acessórios – Já há no mercado pranchas (principalmente de marcas estrangeiras) especialmente desenvolvidas para o SUP Fishing, com suporte de vara, caixa acoplada para guardar tralha ou armazenar o pescado, encosto para dar segurança e conforto durante as remadas e os arremessos, e por aí vai. Existe uma página no Facebook: www.facebook.com/supfishin. Porém, se com tudo isso ainda estiver difícil de achar e/ou adquirir uma dessas pranchas, você pode improvisar, como mostraremos a seguir.

 

 

2. Adaptando seu SUP para pesca

  • Como cada prancha é diferente, você pode adequá-la de variadas formas, o importante é contar com alças e suportes para prender sua tralha. Fitas elásticas facilitam a tarefa.
  • Pense no que é realmente essencial durante a pescaria e leve a menor quantidade possível de itens. Lembre-se, é preciso facilitar a logística em um espaço reduzido e com certa instabilidade.
  • No meu caso, na parte traseira da prancha adaptei uma fita elástica para prender  uma bolsa e outra paraas varas e a haste do suporte da máquina fotográfica (o famoso “pau de selfie”). Na parte da frente, uma fita para prender uma pequena caixa para guardar as iscas (minha solução foi simples, usei um pote de sorvete com dois furos para passar o elástico) e uma pequena caixa térmica. Os alicates de bico e de contenção foram presos diretamente  a uma alça de prancha de acesso rápido e seguro. Em outra alça, um pedaço de cabo foi usado como fieira para o caso de transportar algum peixe separado para consumo.
  • Se sua prancha possui grandes dimensões e é bem estável, você pode prender uma caixa térmica rígida, ela também funcionará como um assento.
  • Pequenas âncoras ou simples pesos amarrados a um cabo podem ajudar na hora de fundear o SUP e explorar melhor o pesqueiro.
  • Remos de emenda são práticos, pois podem ser usados maiores ou menores dependendo da forma com que você rema (de pé ou sentado).

 

 

3. Onde pescar

  • Como você estará pescando em cima de uma prancha cheia de tralhas, as condições devem ser as mais tranquilas possíveis. Opte sempre por áreas com pouca ação de vento, onda ou correnteza, checando constantemente as condições de tempo.
  • Aproveite a praticidade desse meio de transporte e explore locais aos quais dificilmente chegaria a pé ou mesmo de barco, como recifes de coral, bancos de areia, costões rochosos, rios estreitos e lagos de difícil acesso. Lembre-se, porém, de difícil acesso. Lembre-se, porém, de que o calado da prancha não é nulo, existem as quilhas para dar estabilidade e elas podem ser danificadas em caso de choque com qualquer estrutura.
  • Planeje bem o trajeto, utilizando a natureza como aliada; por exemplo, aproveite para retornar a favor do vento ou da correnteza. Em locais com influência de maré, preste atenção à direção da corrente durante os períodos da maré enchente e vazante.

4. Por fim

  • Qualquer movimento de desequilíbrio pode levá-lo a um mergulho-surpresa. Vá em trajes de banho e, se não souber nadar, não dispense de forma alguma o colete salva-vidas. Os de classe V (os mesmos utilizados em motos aquáticas) são confortáveis e não tiram a agilidade na movimentação.
  • Como tudo pode ir para a água a qualquer momento, além da tralha estar bem presa, alguns itens devem ser à prova d’água, como a máquina fotográfica. Nesse caso, também é importante contar com uma boia de flutuação.
  • Se você está numa área muito rasa, também pode pescar a pé, caminhando e arrastando seu SUP. Basta passar um cabo na prancha e amarrar na cintura, por exemplo.
  • Óculos escuros é equipamento de segurança, use com uma alça na armação para não perder na água.
  • Varie posições durante a pescaria para não se cansar. Dá para remar sentado, de joelhos ou em pé.
  • Cuidado para não fazer movimentos bruscos e perder o equilíbrio. Ao fisgar um peixe, curta a briga com calma, esse é o melhor momento da pescaria. Sentir a prancha sendo rebocada por um grande troféu é uma adrenalina única, vale a pena remar nessa onda!

 

 

Compartilhe:

Agenda

Próximos Eventos


@revistapescaesportiva

Twitter


Assine a Revista Pesca Esportiva com 7% de desconto e frete grátis.