Saiba como e onde usar o Texas rig | Revista Pesca Esportiva

Saiba como e onde usar o Texas rig


César Pansera
19/12/2014

A montagem captura peixes em duas situações básicas. Durante a caída, logo após o arremesso. Ou rente ao fundo, onde a isca é trabalhada com toques que podem variar dos famosos saltos, que descrevem o movimento da isca, a sutis arrastadas promovidas por leves toques de ponta de vara

Esse sistema não é dos mais indicados para cobrir rapidamente grandes áreas (como, por exemplo, espraiados), mas é muito eficiente para os pontos com estruturas isoladas ou bem definidas, como as citadas acima.

Em geral, a pegada do peixe varia de uma simples tremida na linha a pequenas e sutis mordidas. Mas o contrário também pode acontecer. Independentemente da maneira que o peixe atacar a soft, é importante prestar muita atenção. E, ao menor sinal de ataque, “desça o braço” com fé.

Se no início você fisgar mais troncos e pedras do que peixes, não se preocupe. Seu aproveitamento vai melhorar com o tempo. Treine até diferenciar os peixes dos obstáculos no caminho da isca. E por mais experiente que seja o pescador, aquela sensação indescritível de incerteza e adrenalina não muda nunca.

 

+ dicas
– Evite trabalhar a isca com a vara muito colada ao corpo ou com a ponta muito para cima. Isso não propiciará um bom ângulo para as fisgadas, que devem ser potentes para ultrapassar a soft e a mandíbula do peixe.

– Essências podem ser acrescentadas aos pacotes da minhoca ou diretamente na isca. Minimizam odores transferidos à soft (como o do cigarro, filtro solar ou repelente). Além disso, conferem certa viscosidade às iscas, preservando-as por mais tempo.

– Existem no mercado linhas de mono e multifilamento que praticamente ficam invisíveis na água. Pode ser um grande diferencial nos dias em que o peixe estiver manhoso.

– Preste atenção na descida da isca, geralmente, é nesse momento que os ataques acontecem. É desnecessário executar o trabalho até debaixo do barco, sendo mais produtivo concentrar os esforços nos primeiros metros de declive do barranco, com exceção de pontas, ilhas submersas ou locais mais profundos.

– Não misture iscas de cores diferentes em um mesmo pacote ou no mesmo compartimento de sua caixa. Cores mais fortes podem predominar sobre mais claras, manchando-as.

– Quando utilizar rattling, seja no chumbo ou na isca, assim como miçangas, realize pequenos toques secos e curtos de ponta de vara ao trabalhar a isca, para que ela apenas trema no mesmo local, fazendo barulho. Esse tipo de trabalho é conhecido nos EUA e Japão como shaking.

Confira quais os melhores pontos para trabalhar o Texas rig na galeria abaixo:

 

Compartilhe:

Agenda

Próximos Eventos


@revistapescaesportiva

Twitter


Assine a Revista Pesca Esportiva com 7% de desconto e frete grátis.