Os Mandamentos em um pesqueiro


Julio Hosoiri
21/12/2015

Regras para uma pescaria esportiva tranquila e suas justificativas

 

 

1.A proibição do uso de anzóis com farpas e garateias

A retirada da farpa do anzol fere menos o peixe, facilitando muito a sua retirada e até mesmo a sua fisgada, todo pescador sabe bem o dano que a farpa causa, principalmente se o fisgado é ele mesmo. O mesmo se aplica no caso das garateias, que é somente aceitável na pesca com artificiais, sem farpas também neste caso e o chuveirinho utilizado na captura da Carpa Cabeçuda também está mudando, em alguns casos só possui a mola para fixação da massa e apenas uma pernada central com anzol, que é o principal na captura da espécie, também isenta de farpa. Mas a farpa não é o maior vilão nas pescarias, um peixe em um ambiente bem cuidado e saudável se recupera rapidamente, mesmo do ferimento do anzol farpado ou do próprio anzol que ficou fisgado durante a sua fuga, com o decorrer do tempo o próprio organismo rejeita e o libera do incomodo naturalmente. Um anzol desproporcional é muito mais prejudicial, devido o conceito errôneo de alguns pescadores de que um grande anzol fisgará um grande peixe, além de falso imagine o que isto poderá causar ao animal;

2.Proibição do uso do alicate de contenção (alicate com balança)

Mesmo sendo um acessório de pescaria, hoje a maioria dos pesqueiros esportivos está proibindo a sua utilização, recomendando o passaguá e para pesar o peixe mantendo ele dentro, pesando o conjunto e descontando o peso do passaguá. Muitos peixes possuem a parte inferior de suas bocas frágeis, principalmente as Matrinxãs, Carpas Húngaras, Espelhos e a Cabeçuda devido o seu peso, acarretando em grandes furos e até rasgando suas bocas. Nas espécies como os tambaquis, pacus, trairões, danificam suas dentições os quebrado e além das espécies citadas, outras como as pirararas, cacharas, catfishes, cachapiras inclusive as grandes tilápias, sofrem muito quando presas pelo alicate em uma das mãos do pescador e a outra segurando a cauda do peixe, arqueando a sua espinha e nos casos mais graves a queda da espécie nos movimentos bruscos, somando a altura e o peso do peixe, causando além dos ferimentos externos os internos e sua perda posterior, ao tirar a sua foto mesmo com o peixe sem o alicate, tire agachado ou sentado, se houver a queda será de pequeno impacto. Além de tudo isto, acreditem, há muitos casos de peixes recuperados feridos e até mortos, com alicates em suas bocas devido à imperícia do pescador que deixou o peixe cair e fugir com o artefato preso, judiando o animal.

3.Devolver o peixe esportivo o mais rápido ao lago

O ambiente em que vivem é aquático e fora dele à maioria não consegue oxigenar devidamente, com difícil recuperação mesmo depois de soltos, principalmente os que possuem a guelras pequenas, a exemplo do dourado, piraputanga, matrinxã, catfish. Considerando um minuto, tempo suficiente para soltar o peixe após uma bela foto, não há a necessidade de mostrar ao pesqueiro todo o peixe que pescou e nem ficar passando aos outros o peixe fisgado por você.

4.É proibido colocar peixes no samburá e depois soltá-los

Só coloque no samburá somente o peixe que for levar para consumo, pois os peixes ficam em ambiente limitado e estressante, machucados e normalmente com peixes agressivos, também os problemas de oxigenação, quando soltos, posteriormente poderão morrer no tanque ou demorar muito mais para recuperar-se.

5.Não coloque os dedos ou as mãos nas guelras dos peixes

As guelras conhecidas também como brânquias, fazem parte do sistema respiratório e são irrigadas pelo sangue e muito frágeis, se feridos neste local morrerão com certeza, então evite até mesmo tocar nesta parte do peixe, mesmo que seja para facilitar a sua soltura. Se o anzol atingir a guelra acidentalmente e se não for levar, avise a administração do pesqueiro, melhor sacrificar para consumo do que causar o sofrimento do peixe.

6.É proibida a utilização da linhada de mão no pesqueiro

Muito impróprio à pesca com alinhada, prejudicando muito o peixe com a fisgada que é muito brusca, não há a flexibilidade das varas e sem as carretilhas não existe o trabalho das fricções, próximo à margem existe a possibilidade maior de rompimento da linha e fuga do peixe, além de um acidente com a linha, provocando queimaduras ou cortes profundos na mão. Tudo isso sem contar com arremessos em direções erradas.

7.Pesque sempre com equipamentos adequados

Conheça antecipadamente os peixes que deseja pescar e os tamanhos disponíveis no pesqueiro, utilize os equipamentos adequados para que não prejudique os peixes fisgados, o mesmo se aplica com as iscas utilizadas. Um conjunto bem balanceado permitira que você consiga retirar o peixe esportivamente e devolva-o melhor possível para que continue sendo pescado.

8.Respeite os limites de varas e o espaço definido por pescador

Cada pesqueiro possui os seus limites de varas e espaço por pescador, respeitando estes limites a sua e as demais pescarias serão mais tranquilas, sem criar estresse ou até agressões entre pescadores, respeitando para ser respeitado.

9.A responsabilidade sobre as crianças é exclusiva dos pais ou responsáveis

Os menores devem estar sempre acompanhados de seus responsáveis, pois mesmo havendo locais para divertimentos das criançadas, como playgrounds, piscinas, pescarias e outros divertimentos, a precaução deve ser principalmente dos pais, posteriormente do estabelecimento.

10.É proibido levar para os lagos e tanques, caixas de isopor ou bolsas térmicas

São regras básicas em muitos pesqueiros, pois as bebidas são de exclusividade dos estabelecimentos além de alguns frequentadores, que não podemos considerar pescadores, se utilizam destas embalagens para se apropriar indevidamente e esconder peixes nestes recipientes. Valido a todos para não haverem exceções. Evite o uso abusivo de bebidas alcoólicas.

 

Respeite o peixe, afinal o prazer da sua pescaria depende dele.

Compartilhe:

Agenda

Próximos Eventos


@revistapescaesportiva

Twitter