Linguagem de Pescador


Jum Tabata
08/02/2017

 

Termos científicos, palavras em inglês, conversões de medidas… O linguajar da pesca esportiva muitas vezes faz uso de palavras que fogem ao vocabulário cotidiano, mas é importante conhecê-las para melhor compreender – e aprender – este amplo universo. Vamos ao nosso pequeno dicionário!

 

Batipelágico: que vive na coluna d’água, entre 1 000 e 4 000 metros de profundidade, afastado do fundo.

Bêntico: que vive em contato direto com o fundo, tanto em águas rasas como em profundas.

Bentopelágico: que vive em contato com o fundo, em profundidades além da plataforma continental.

Bexiga natatória: órgão interno, em forma de saco, com paredes resistentes e cheio de gás, localizado na parte superior da cavidade corporal, logo abaixo da coluna vertebral. Presente na maioria dos peixes ósseos e ausente nos cartilaginosos.

Canino: dente estreito e pontudo, evidente e comumente isolado dos demais.

Caudal: nadadeira caudal; localizada na extremidade posterior do corpo, principal responsável pela locomoção da maioria dos peixes.

Colete: região com escamas, distinta e bem separada da área nua do corpo, localizada na região anterior do mesmo, como no bonito.

Cuidado parental: termo usado para peixes que cuidam dos ovos e filhotes por um período.

Demersal: termo usado para ovos mais pesados que a água e que afundam, eclodindo no substrato.

Dimorfismo sexual: diferenças físicas entre machos e fêmeas da mesma espécie.

Dorsal: nadadeira dorsal; localiza-se ao longo do perfil superior do peixe. Pode ser única ou dividida em dois ou até três partes. É geralmente constituída por espinhos e raios, algumas vezes só por raios, e raramente só por espinhos.

Desova parcial: fêmeas que liberam os ovócitos maduros em parcelas ao longo de todo período reprodutivo

Desova total: fêmeas que liberam seus ovócitos maduros de uma única vez no período reprodutivo.

Epipelágico: que vive na coluna d’água, entre a superfície e os 200 metros de profundidade.

Escamas caducas: escamas que se soltam com facilidade da pele.

Escamas ciclóides: escamas com bordas macias, sem espinhos minúsculos nas suas bordas.

Escamas ctenóides: escamas com bordas ásperas, em função de minúsculos espinhos (os ctenii), presentes nas mesmas.

Escudo: escama ou placa óssea modificada, situada na pele, grande e evidente quando comparada às demais escamas.

Falcado: termo geralmente usado para definir a forma de uma nadadeira que tem uma de suas bordas externas em longo arco.

Fenda ou abertura branquial: termo usado para designar a abertura que existe na região anterior do corpo (nos flancos ou na parte inferior do corpo), ao final da cabeça, pela qual a água inspirada para a respiração é expelida.

Filamentoso: prolongamento muito alongado e estreito.

Fitoplâncton: plâncton vegetal.

Furcada: com a borda posterior da caudal em ângulo fechado, dividindo tal nadadeira em dois lobos bem distintos.

Fusiforme: com o corpo em forma de fuso, ou seja, com cabeça e pedúnculo caudal mais estreitos que o resto do corpo, e região entre ambos cilíndrica ou subcilíndrica.

Hermafrodita: que possui tanto os órgãos reprodutivos da fêmea como os do macho.

Incisivo: dente em forma de cinzel, de forma geral achatada e com borda externa cortante e truncada.

Lanceolado: com a nadadeira caudal em forma de ponta de lança ou flecha.

Larva: estágio de vida de organismos entre o nascimento e a juventude.

Linha de maré: ou linha de deriva; faixa de detritos, algas e outros objetos flutuantes, visível na superfície da água, geralmente com vários quilômetros, mas podendo ter interrupções. Causada por correntes, marés e ventos, forma habitat excelente para numerosos peixes e invertebrados, tanto em suas formas larvais como adultas.

Linha lateral: órgão sensorial composto por um canal que percorre o flanco dos peixes, com poros mantendo contato com o meio externo e muitas vezes com grupos de células sensoriais especiais dela originadas.

Lobo: prolongamento; na caudal, define cada uma de suas duas partes externas, a superior e a inferior.

Lunada: expressão usada para descrever a borda posterior da caudal, com concavidade muito acentuada, formando um semicírculo.

Mesopelágico: que vive na coluna d’água, entre 200 e 1 000 metros de profundidade.

Opérculo: o maior osso que cobre a abertura branquial, frequentemente com espinhos ou projeções em suas bordas; presente na enorme maioria dos peixes ósseos, mas ausente de outros, como o congro e similares.

Ovíparo: que põe ovos e estes se desenvolvem e eclodem no ambiente.

Ovo adesivo: a superfície dos ovos dos peixes apresenta características físico-químicas que os tornam adesivos ou não.

Pedúnculo caudal: região do corpo entre a extremidade basal posterior das nadadeiras dorsal e anal e a base da caudal, geralmente mais estreita que o resto do corpo; nos peixes epipelágicos, frequentemente apresenta quilhas dérmicas laterais de reforço.

Peitoral: nadadeira peitoral; cada uma das duas nadadeiras geralmente localizadas após a abertura branquial, no flanco dos peixes, mas que podem ter posição inferior em várias famílias.

Pelágico: que vive na coluna d’água, afastado do fundo; termo geralmente utilizado para designar organismos que vivem nas águas além da plataforma continental.

Pélvica: nadadeira pélvica; cada uma das duas nadadeiras geralmente localizadas em posição ventral, que podem variar em sua posição, desde jugulares até abdominais.

Plâncton: conjunto de organismos que, por movimento próprio, não são capazes de cruzar correntes brandas a moderadas, e são por elas transportados. Inclui o fitoplâncton e o zooplâncton.

Plataforma continental: região do fundo do mar que vai da costa à profundidade de 200 metros, ao longo dos continentes e ilhas.

Pré-opérculo: osso da face imediatamente anterior ao opérculo e frequentemente com sua borda externa separada daquele osso por uma depressão.

Quilha: crista dérmica lateral do pedúnculo caudal, escamada ou não.

Simbiose: relação mantida entre organismos diversos. No comensalismo, uma das espécies usufrui da outra sem prejudicá-la; no mutualismo, ambas se aproveitam da relação; e no parasitismo, uma se aproveita e causa prejuízos à outra.

Truncada: diz-se da cauda cuja borda posterior é reta, sem concavidade ou prolongamento.

Tubérculos: projeções ósseas ou dérmicas, rígidas, na pele.

Vegetação ripária: semelhante a mata ciliar. É a mata que fica nas margens dos rios e lagos.

Vivíparo: aqueles cujos embriões se desenvolvem recebendo alimento através de cordão umbilical e mantidos protegidos em placenta, dentro do útero da mãe.

Zooplâncton: plâncton animal.

 

Tabela de conversão

Como converter com precisão pés, libras, onças e outras unidades para o sistema métrico brasileiro. Confira a tabela e faça você mesmo o cálculo.

 

  • Unidades de peso

1 oz (onça) = 28,35 gramas

1 lb (libra) = 453,59 gramas

  • Unidades de comprimento

1” (polegada) = 2,54 centímetros

1’ (pé) = 30,48 centímetros

1 yd (jarda) = 0,91 metro

1 milha marítima = 1,85 quilômetro

 

Termo em inglês

Algumas palavras que já incorporadas no dia a dia das pescarias feitas no Brasil, e outras que o ajudarão na leitura de textos em inglês sobre o assunto.

 

Angler = pescador

Angling = pescaria

Bait = isca

Baitcasting = pesca de arremesso de iscas artificiais

Ball bearing = rolamento

Barbless hook = anzol sem farpa

Billfish = peixe de bico

Blank = tubo da vara, oco ou maciço

Bluefish = enchova

Bow = proa

Brine = sal/água salgada

Channel = canal

Cutlass fish = peixe-espada

Diving lip = barbela

Dolphin = dourado

Drag = fricção

Drop-off = desnivelamento subaquático súbito

Dry fly = mosca seca

Fiberglass = fibra de vidro

Fishing buddy = companheiro de pesca

Fishing license = licença de pesca

Flats = baixios arenosos

Flipping = técnica de arremesso em que a isca é impulsionada de baixo para cima

Float = boia

Gaff = bicheiro

Gear = tralha

Guide = guia de pesca

Handle = manivela

Hook barb = farpa

Hook eye = argola do anzol

Hook point = ponta do anzol

Hook shank = haste do anzol

Inshore fishing = pesca costeria

Jigging = pesca no fundo ou vertical

Knot =

Leader = linha na parte terminal, líder

Levelwind = distribuidor de linha

Live bait = isca viva

Lure = isca artificial

Mackerel = cavala

Mangrove = mangue

Minnow = pequeno peixe

Mullet = tainha

Multiplier reel = carretilha

Offshore fishing = pesca em mar aberto

Outboard = motor de popa

Peacock bass = tucunaré

Red tide = maré vermelha

Reef = arrecife

Rig = montagem

Rivermouth = foz do rio

Rod = vara

Rod guide = passador de vara

Scale = escama / balança

Shale = cascalho

Shark = tubarão

Shock leader = linha de arranque

Shrimp = camarão

Sidecast = arremesso lateral

Single hook = anzol simples

Skunked = voltou sem peixe

Snook = robalo

Soft bait = isca plástica

Spincast = carretilha de saída central

Spinning = pesca com molinete

Spool = carretel

Squall = tromba d’água

Stern = popa

Stream = riacho

Strike = ataque do peixe

Surfcasting = pesca de praia

Swell = ondulação

Swivel = girador

Tackle = tralha

Tacklebox = caixa de pesca

Tail = cauda

Thermocline = termoclimal (faixa de profundidade com a mesma temperatura)

Tide = maré

Tip top = ponteira

Treble hook = garateia

Trolling = corrico

Trout = truta

Washer = arruela

Wet fly = mosca de fly que afunda (“molhada”)

Whale = baleia

Wind = vento

Worm = minhoca

 

Imagem: Fotolia

Compartilhe:

TV Pesca Esportiva



@revistapescaesportiva

Twitter

Assine Pesca Esportiva por 1 ano - 3x de R$ 46,00.