Garanta a foto e a soltura de seus peixes usando a ferramenta certa para cada situação | Revista Pesca Esportiva

Garanta a foto e a soltura de seus peixes usando a ferramenta certa para cada situação


Giuliano Andretta
27/03/2017

Puçá

Nunca me esqueço de um grande bass que perdi por pura “mancada”. Quis embarcá-lo utilizando o puçá e, justamente na “hora H”, o anzol acabou ficando engatado na rede, mas do lado de fora. Vi o troféu se debater e escapar do anzol em câmera lenta. Isso provavelmente não aconteceria se eu tivesse procedido da forma mais simples para a situação: pegar o peixe pela boca.

Histórias como essa não são raras entre os pescadores. Praticar a forma adequada de embarque para cada tipo de peixe evita esses micos. Alguns pescadores, por exemplo, recolhem tanta linha no momento do embarque que o peixe quase passa por dentro dos passadores! O ideal é deixar pelo menos um montante igual ao do tamanho da vara. Assim, sua flexibilidade pode ser útil caso o peixe dê uma última arrancada, o que não é nada incomum.

 

As principais ferramentas

Bicheiro

> Puçá ou passaguá: item quase obrigatório, especialmente em campeonatos, quando é preciso garantir o embarque rápido e seguro do troféu.

Como usar: deve-se “caçar” o peixe e colocá-lo no puçá por trás, evitando contato direto com a linha de pesca. Tentar “ensacá-lo” pela cabeça sempre gera o risco de engatar o anzol na rede.

> Bicheiro: apesar da aparência grosseira, seu uso correto não traz grandes danos ao peixe. É ideal para o embarque de peixes grandes ou para pescarias em alto mar, em que a borda geralmente alta das embarcações dificulta os embarques.

Como usar: o bicheiro deve perfurar a mandíbula inferior do peixe de dentro da boca para fora. Seu cabo deve ter uma alça de segurança, e ponta isenta de farpa.

> Alicate de contenção ou tipo “jacaré”: simples, barato e eficiente. Possibilita uma boa pegada, mesmo de peixes que possuem dentição. Além do embarque, ajuda a preservar os dedos na hora das fotos.

Como usar: introduza o alicate na mandíbula do peixe e prenda com firmeza. Prefira modelos com curvatura que não quebre os dentes do peixe e evite pressionar sua língua.

 

Grip

 

> Grip: termo genérico dado a alicates que viraram febre no mundo da pesca, devido à sua praticidade e também por indicarem o peso do peixe.

Como usar: quando acionadas, as garras do alicate se abrem, bastando encaixá-las na mandíbula do peixe e soltar o dispositivo. Existem diversos modelos, tanto nacionais quanto importados (Bogagrip, Fishgrip, Trava-peixe etc). Lembre-se que os alicates importados, principalmente os norte-americanos, costumam mostrar o peso em libras (1lb = 453g).

> Mãos: por incrível que pareça, podem ser a “ferramenta” mais eficaz na hora do embarque de determinados tipos de peixes. Os que não possuem dentes, como o robalo e o bass, podem ser perfeitamente manuseados pela boca, principalmente quando da utilização de anzóis únicos ao invés de garateias. Além da boca, pode-se embarcar o troféu pela cauda, ao mesmo tempo em que ele é apoiado pela barriga (principalmente peixes grandes). As espécies de couro podem ser erguidas pelas esporas. Evite “abraçar” os peixes, tanto com os braços quanto com as mãos, bem como erguê-los pelo opérculo, sob o risco de machucar suas guelras.

É importante ressaltar que a forma de embarque é muito importante na pesca esportiva, já que garante o retorno do peixe a seu habitat em condições saudáveis. O mau uso de certos equipamentos, como o bicheiro, pode comprometer tudo isso. Após o embarque, os cuidados continuam redobrados. Nunca deixe o animal muito tempo fora da água, procure manuseá-lo de forma que não comprometa sua saúde. Seguir esses passos aumenta as chances de embarcar muitos outros troféus em futuras pescarias.

 

 

Fotos: Arquivo Pessoal/Giuliano Andretta

Compartilhe:

Agenda

Próximos Eventos


@revistapescaesportiva

Twitter


Assine a Revista Pesca Esportiva com 7% de desconto e frete grátis.