ABC dos anzóis


Da Redação PESCA ESPORTIVA
08/05/2017

Você sabe exatamente que anzol deve utilizar na praia, e quando? Se não, nossas dicas serão bastante úteis nessa escolha que não é tão simples quanto parece

A gama de anzóis disponíveis para o pescador de praia é das mais extensas, podendo causar grande confusão naqueles que vão a uma loja com o simples intuito de “comprar um anzol” para a modalidade. Essa grande dúvida pode ser equacionada, em primeiro lugar, definindo-se um foco: onde e como será a pescaria? Quais são os peixes-alvo e seus tamanhos médios? Em seguida, vem a classificação dos modelos e tamanhos ideais, o que pode variar de acordo com as experiências de cada pescador e seus resultados. Para competições e pescarias “light” feitas na beira, por exemplo, são usados anzóis finos e pequenos, já que o objetivo é privilegiar a quantidade e não o tamanho. Já para pescarias de peixes maiores, o anzol também deve ser maior, além de mais reforçado e com formato diferenciado. Portanto, fique atento quando um vendedor disser “esse anzol é bom”, sem nem perguntar o que você pretende pescar.

 

Leve / médiaKairyo Hansure, Sode, Shin-haze, Koaji, Aji Sendou (“Unha de Gato”), Akita Kitsune (“Tortinho”) (FOTO AKITA – HYPERLINK), Funa Bari, F1, 260H (“Ponta de Cristal”)

Leve / média Kairyo Hansure, Sode, Shin-haze, Koaji, Aji Sendou (“Unha de Gato”), Akita Kitsune (“Tortinho”) (FOTO AKITA – HYPERLINK), Funa Bari, F1, 260H (“Ponta de Cristal”)

 

Média / pesada Mutu Light Circle, K-Hook, Flyliner, SSW, Iseama, Shiner Hook, (FOTO SHINER – HYPERLINK) Wide Gap

 

“Coringas” (servem para todas)Maruseigo (FOTO MARUSEIGO – HYPERLINK), Yamajin, Shiro Kitsune, Chinu, Isumedina

“Coringas” (servem para todas) Maruseigo (FOTO MARUSEIGO – HYPERLINK), Yamajin, Shiro Kitsune, Chinu, Isumedina

 

A importância

De todos os materiais que usamos, o anzol é, de longe, um dos mais importantes. Sem esse elo fundamental entre o pescador e o peixe, a pesca simplesmente não existiria do modo como a conhecemos. Deve-se ter uma atenção especial na escolha do modelo certo, optando por marcas confiáveis, e substituí-lo sempre que sentirmos que sua ponta esteja prejudicada. Não compensa reutilizar anzóis; seu custo é relativamente baixo (em geral, menos de R$ 1 a peça), e não vale o risco de comprometer a captura.  Anzóis de marcas renomadas custam por volta de R$ 8 a R$ 16 (cartela com 12 unidades), podendo-se encontrar, com facilidade, cartelas de 20 unidades a cerca de R$ 4.

O material de fabricação pode variar de ligas de aço forjado ou inox, com a opção de serem banhados em outras ligas metálicas (caso dos anzóis “niquelados”, “estanhados” ou banhados a ouro), ao aço de alto carbono, no caso dos modelos de maior qualidade. As colorações variam entre o prata, o dourado, o vermelho e o preto; os anzóis “black crome” são os que apresentam maior resistência à corrosão pela água salgada. As pontas são afiadas a laser e quimicamente, e têm formato cônico, angulado ou progressivo, com ou sem farpas, de acordo com cada modelo.

Tamanhos

A numeração dos anzóis não segue um padrão exato, sofrendo variações conforme os fabricantes e os modelos. São duas as padronizações mais usadas, que chamaremos genericamente de “A” e “B”. A relação de tamanhos para os modelos que seguem o padrão “A” é: 8 – 6 – 4 – 2 – 1 – 1/0 – 2/0 – 3/0 – 4/0. Para o padrão “B”, a classificação (também crescente) segue a sequência: 6 – 7 – 8 – 9 – 10 – 11 – 12 – 13 – 14. Geralmente, a numeração “A” é usada para anzóis voltados para a pescaria de peixes maiores, enquanto a “B” é mais empregada para a pesca leve ou de competição. Obviamente, essa não é uma regra rígida, mas sim, um ponto de partida para referência de uso.

Nó para anzol de pata

NÓ PARA ANZOL DE OLHO

 

 

Modelos

Alguns são de uso específico para pescaria leve, e outros, para pesca pesada. Existem, porém, modelos cuja numeração é ampla e que podem ser usados em ambos os tipos de pescarias. É o caso do famoso Maruseigo, em que os números 4 e 6 são usados para pescarias leves, e os números 14 e 16, para a pesca dos maiores. Em geral, os anzóis de competição ou para pesca light têm a extremidade da haste em forma de “pata”, enquanto os modelos para pesca pesada têm o mais comum e conhecido “olho” ou “olhal”.

 

O saca-anzóis

Trata-se de um artefato simples desenvolvido para auxiliar a retirada de anzóis de peixes que os engolem e acabam ficando “embuchados” com eles. Basta passar a linha pela fenda ou orifício do acessório e descê-lo até a curva do anzol. Então, segura-se a linha com firmeza e, com um leve tranco, empurra-se o conjunto, desprendendo o anzol.

 

 

Por Marcelo Esteves

Compartilhe:

Agenda

Próximos Eventos


@revistapescaesportiva

Twitter

Assine a Revista Pesca Esportiva com 7% de desconto e frete grátis.