A pesca do farnangaio


Da Redação PESCA ESPORTIVA
30/01/2017

Cotado como uma das melhores iscas naturais para a captura de grandes peixes oceânicos, como barracudas, cavalas, dourados e peixes de bico, o farnangaio (Hemiramphus brasiliensis) também é um peixe bastante esportivo de nossas praias. Tem corpo alongado, com cerca de 20 a 30 centímetros, dorso levemente esverdeado e um bico comprido e vermelho na ponta, que deu origem à expressão: “gostaria de saber quem passou batom na boca do farnangaio”. À mesa, é um petisco muito saboroso para ser acompanhado na companhia de uma boa cervejinha. Mas sua grande qualidade é o potencial para saltos e puxadas frenéticas, ainda mais valorizadas quando é pescado com o equipamento certo.

> Varas: de ação ultra-leve ou leve (4 a 15 libras), com 2,7 a 3 metros. Tirret, Dallas e Geniale estão entre as mais conhecidas;
> Molinetes: de porte pequeno (ultra-light), com capacidade para 150 metros de linha 0,20mm. Com linha, seu peso oscila entre 200 e 300 gramas. Os modelos Luvia 2004, Solara 5000, Slade 1000 e Symetre 1000 são os mais usados;
> Linha: 0,16mm (6lb), 0,18mm (8lb) e 0,20mm (10lb), sem arranque;
> Anzóis: modelos akita kitsune nº 5 ou miako nº 6, “empatados” com linha de flúor carbono 0,25mm e 30cm de comprimento;
> Chicotes: com 60 centímetros, de fluorcarbono, com distância de 40 cm entre os rotores (tamanho 1) e giradores (número 14 a 20);
> Boia: nº 8, formato pêra, confeccionada em madeira “kiri”;
> Chumbo: modelo moeda (ver quadro);
> Iscas: a mais usada é o camarão, em fibras e pedaços bem pequenos. Outra opção são pequenas tiras de lula, difíceis de sair do anzol, mesmo quando o peixe está fisgado.

A técnica
Os farnangaios geralmente ficam bem próximos à beira, principalmente em dias com mar calmo, poucas ondas e temperatura amena. Deve-se arremessar o conjunto o mais longe possível, para então recolher a linha, lentamente. A chumbada moeda virá girando na flor da água, rotacionando as pernadas e as iscas. Os peixes as acompanham e costumam atacá-las mais próximos à arrebentação. É quando sentimos um peso e conseguimos ver os seus saltos. Mas atenção: mesmo assim, deve-se continuar com a mesma velocidade, sem dar qualquer tranco ou acelerar, pois eles livram-se com facilidade do anzol. Quando estiver na areia, basta balançar o caniço para que se soltem. A técnica é a mesma quando se usa bóia de arremesso ao invés do pso. É normal, durante a pesca de farnagaios, capturarmos também pampos, palombetas e guaiviras, que freqüentam a mesma faixa d’água, deixando a pescaria ainda mais divertida.

Confecção do chumbo moeda

Como é difícil encontrar esse modelo nas lojas, costumo confeccioná-los caseiramente. O passo-a-passo é simples:
– Retire dois fundos de latinha de alumínio;
– Corte aproximadamente 5 centímetros de um encastoado pequeno para fazer o “grampo” do chumbo;
– Passe o grampo por dentro de um chumbo oliva de 15 gramas e o amasse para prender o grampo, dando um formato de moeda;
– Posicione o conjunto em um dos lados côncavos do fundo de alumínio;
– Aplique uma mistura de cola epóxi e feche com a outra parte.
Finalizado, o chumbo moeda terá cerca de 20 gramas.

 

 

Foto e texto: Marcelo Rubio Esteves

Compartilhe:

Agenda

Próximos Eventos


@revistapescaesportiva

Twitter

Assine a Revista Pesca Esportiva com 7% de desconto e frete grátis.